A Associação Portuguesa de Mutualidades (APM–Redemut) passa, a partir de hoje, a ter uma voz ativa no debate sobre as matérias mais relevantes da economia social. O Governo decretou ontem, através de uma portaria publicada em Diário da República, a recomposição do Conselho Nacional para a Economia Social (CNES), do qual a APM-RedeMut vai passar a fazer parte.

É com muito entusiasmo que a Associação Portuguesa de Mutualidades acolhe este desafio tão esperado e vê reconhecido o seu esforço no sentido de ser mais um ator a colaborar no empoderamento da economia social.

«É um dia histórico. Há muito tempo que APM-RedeMut pugna pela integração neste importantíssimo órgão de consulta do Governo. Agora a nossa voz será de pleno direito e o nosso empenho é tão grande que já convocámos as nossas associadas para a identificação dos temas que desejam ver discutidos neste fórum. Seremos um forte impulsionador do CNES na definição de estratégias que auxiliem o Plano de Recuperação e Resiliência de Portugal» refere o Vice-Presidente do Conselho de Administração, Pedro Bleck da Silva.

O Conselho Nacional para a Economia Social (CNES) foi criado pelo Conselho de Ministros como órgão de acompanhamento e consulta do Governo no domínio das estratégias e das políticas públicas de promoção e de desenvolvimento da economia social.

O Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social destacou a importância que a APM-RedeMut assume na área da economia social e considera relevante a sua integração neste órgão de aconselhamento do Governo.

APM