Uma corrente solidária de reforço da proteção social

A APM - Associação Portuguesa de Mutualidades é uma federação de associações mutualistas que tem por missão expandir e difundir o Mutualismo, promovendo a cooperação e a partilha de recursos e adequando as respostas mutualistas às necessidades de proteção social.
Saiba mais aqui

Serviço de assistência médica domiciliária noturna. Clique aqui

Visão

Afirmar o Mutualismo como sistema de proteção social eficaz e inovador.

Missão

  • Expandir e difundir o Mutualismo
  • Promover a cooperação e a partilha de recursos
  • Adequar as respostas mutualistas às atuais necessidades da proteção social
  • Capacitar as Associações Mutualistas para uma intervenção mais eficaz e eficiente

Valores

  • Liberdade
  • Igualdade
  • Solidariedade
  • Democracia
  • Equidade
  • Responsabilidade

UMA REDE DE SAÚDE MUTUALISTA “DE TODOS, COM TODOS E PARA TODOS”

A RedeMut é um projecto histórico para o mutualismo português pois através da cooperação e da partilha de recursos entre mutualidades, garante serviços de saúde e de apoio social de elevada qualidade aos 800.000 associados mutualistas que integram as associações filiadas na APM – Associação Portuguesa de Mutualidades.

Saiba mais aqui.

Mutualidades

Atualmente, a ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE MUTUALIDADES congrega 22 das maiores associações mutualistas nacionais, representando sensivelmente 800.000 Associados Mutualistas, ou seja, cerca de 80% de todo o movimento mutualista.

Notícias

Mutualismo, uma família alargada

As famílias não procuram verdadeiramente produtos ou serviços… procuram uma “família alargada” que possa ajudá-las a criar seres humanos incríveis. É exatamente isso que na MUSSOC queremos ser

Idosos ficam cada vez mais tempo depositados nos hospitais

Novo Barómetro de Internamentos Sociais promovido pela Associação Portuguesa de Administradores Hospitalares revela que há 829 camas do SNS ocupadas por doentes que já tinham condições para ter alta. A maioria aguarda vaga em cuidados continuados. Duração média destes internamentos disparou.

Mais utentes a aguardar vaga nos cuidados continuados e tempo de espera aumentou

A Entidade Reguladora da Saúde constatou que 1.641 utentes aguardavam vaga nos cuidados continuados no final de 2018, um aumento de 9% relativamente ao ano anterior e mais 24% do que no final de 2016. As Unidades de Longa Duração e Manutenção e a região de Lisboa e Vale do Tejo são onde se concentram o maior número de utentes