No passado dia 2 de maio, a APM-RedeMut – Associação Portuguesa de Mutualidades participou na Assembleia Geral Constituinte da Confederação Portuguesa de Economia Social (CPES).

Conforme havia sido anunciado na sessão de encerramento do Congresso da Economia Social, um conjunto bastante alargado de Entidades da Economia Social, que a APM integra, uniram-se numa Confederação que assegurará a promoção e a defesa da economia social no seu conjunto.

Na abertura da sessão que instituiu formalmente a CPES, tanto o presidente da comissão instaladora, Francisco Silva, como todos os demais presentes, salientaram a importância da criação desta Confederação para a dinamização do sector social que, neste ato, concretiza o esforço de partilha de recursos e de experiências das organizações da Economia Social.

Em representação da APM, o Presidente do Conselho de Administração, Marques Pereira, e o Vice-Presidente do Conselho de Administração, Jorge de Sá, mostraram-se satisfeitos com a constituição da Confederação que contribuirá, também, para dinamizar a alocação dos fundos comunitários aos projetos comuns das Entidades da Economia Social, modernizando e capacitando as organizações para a inovação social.

Relembraram, ainda e a propósito, os dados mais recentes da conta satélite para este setor, referentes a 2013, que mostram o peso da economia social, representando mais de 6% do emprego nacional, significa uma enorme realidade com uma relevância fundamental em termos dos setores económico e social.

De acordo com os Estatutos agora aprovados, que conduzirão à muito breve formalização da CPES, a Confederação prossegue os seus fins no estrito respeito do princípio da subsidiariedade, que se traduz na não sobreposição relativamente ao objeto e fins prosseguidos pelas suas associadas, destacando-se nos seus objetivos a afirmação como parceiro social, na concertação, participando na definição das políticas públicas e nas orientações estratégicas destinadas à economia social.