No ano passado os portugueses pouparam 80€, bem menos que os 281€ de 2016. Pais portugueses são os que mais cederam à pressão de comprar o que não podiam.

Vários relatórios recentes apontam para a inversão da tendência de pouparem vez de gastar e o European Consumer Payment Report, da Intrum Justitia, é o mais recente. De acordo com os dados a que o Destak teve acesso, a poupança média mensal de um português passou de 281 euros em2016 para80 euros em 2017. São 201 euros que representam uma quebra de 70% na poupança. A tendência para contrair empréstimos para consumo fica explícita quando 27% dos portugueses inquiridos afirmam que comprar bens a crédito, como TV ou computador, não constitui um problema (apenas 19% em 2016).

Por outro lado, 56% concordam que as redes sociais criam uma pressão para o consumo. Inclusive, 34% dos pais já se sentiram pressionados a comprar um produto para o seu filho que não podiam pagar e, entre estes, 28% acabaram mesmo por fazê-lo quando se tratou de um computador. É a percentagem mais elevada entre os 24 países europeus que integram este estudo e bem acima da média geral: 19%.

Janeiro é o mês mais difícil

Um em cada quatro portugueses afirma que Janeiro é o mês mais complicado do ponto de vista financeiro. São sobretudo as mulheres (39%) que sentem mais dificuldades financeiras durante este mês (22% no caso dos homens), algo que se verifica também na Europa, em que 33% das mulheres sentem mais dificuldades financeiras do que os homens (27%).